Categoria: Pe. Robson

Páginas: 1 2 3 16 Próxima Página »

“Eis aqui a serva do Senhor”

Comentários: 0

Em toda a história cristã existem vários exemplos de fé e oração a serem seguidos por nós, cristãos e filhos amados do Divino Pai Eterno. Podemos dizer que Maria foi o maior deles, pois ela foi uma mulher de muita fé. Essa é uma das principais características que devemos guardar de Nossa Senhora, que foi uma mulher que viveu toda sua vida incentivada pela sua fé.

Pela fé, Maria se dispôs a servir a Deus. Com seu coração bondoso e humilde, mesmo antes de receber o anúncio de que seria a Mãe de Deus, ela já sabia que era especial, que era filha amada do Pai Eterno e que Ele tinha um plano para a sua vida. E quando esse plano veio, foi muito além de suas expectativas comuns, assim como acontece muitas vezes em nossas vidas.

O que tornou aquela jovem moça de Nazaré grandiosa foi dizer “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a Tua palavra” (Lc 1,38). A partir daquele momento, em toda a sua vida, ela viveu momentos de tensão, angústias e sofrimentos causados pelo peso da responsabilidade que ela havia assumido ao dar o seu “sim”. Mas, no meio de todos os sofrimentos e angústias que ela viveu, também houve muitas alegrias e a certeza de que o Senhor estava com ela e honraria a sua obediência.

Apesar das dores e tristezas pelas quais Nossa Senhora passou ao ver tudo o que seu Filho Jesus passou, ao se entregar, morrer na Cruz e ser sepultado; ela rezou e confiou nas promessas de Deus. Por isso, seu coração ficou vibrante de alegria, quando soube da notícia da ressurreição de Cristo. E, por toda sua fé e seu exemplo de Mãe e de serva do Senhor, ela viu toda sua vida ser coroada com a dignidade de ser proclamada Rainha dos filhos amados do Divino Pai Eterno.

Em nossa Mãezinha do Céu reside a dor, mas também o júbilo e o louvor, porque ela era uma mulher de esperança e ela nos ensina que nós também, em nossas dores, nunca devemos perder a esperança. Se passamos pelos problemas da vida sem fé no coração, tudo o que nós vivenciamos é vão. Não nos leva a nada. Não nos ensina nada, nem nos faz crescer.

Hoje, podemos contar com a intercessão de Maria para nossas vidas, nossas famílias, nosso trabalho. Ela não é maior que Deus, nem quer ser. O desejo de Maria é apenas que todos nós possamos entender que Jesus deve ser o Senhor de nossas vidas e de nossas histórias. E que, compreendendo essa verdade, possamos nos abrir ao amor Dele e deixar que Ele nos guie pelo caminho que nos leva ao Reino dos Céus.

E é pela força de nossa oração que conseguiremos estar em comunhão com Deus. O poder da nossa oração é o que age em nossa vida. A oração é uma maneira importante de nos ajudar em nossa comunicação com Deus. É o que nos ensina a ouvir o Senhor, a escutar a voz do Divino Pai Eterno que quer se comunicar com cada um de nós. O próprio Jesus orava, falava com o Pai Eterno, tinha uma intimidade muito grande com Deus. “Naqueles dias, Jesus retirou-se a uma montanha para rezar, e passou aí toda a noite orando a Deus” (Lc 6,12).

Assim como falou com Maria e com Seu Filho, o Pai quer falar com você. Ele quer que você o ouça, que abra o seu coração e abra também as possibilidades para que o Seu amor entre na sua vida e transborde dentro de você. O Senhor quer fazer de você uma pessoa diferente deste mundo, diferente das pessoas que não acolhem Sua Palavra e Seus ensinamentos. Diferente daqueles que não oram, que não buscam a Ele com alegria e com o desejo profundo de uma comunhão eterna.

Todos nós, que somos filhos amados do Pai Eterno, somos convidados a realizar boas obras e a estar em comunhão com Deus. E a seguir o exemplo de Nossa Senhora que se fez serva do Senhor, por meio da sua fé e oração. E é por meio da oração que somos capazes de estar em sintonia com Maria, com Jesus e com o próprio Deus. Essa comunhão é o que muda nossa mentalidade, nosso jeito de ser, nossas atitudes, nosso modo de julgar, de entender e nos reportar às pessoas. Comunhão que nos faz reconhecer quem somos realmente e a entender qual é a missão que Deus tem para nós, neste mundo.

Quando observamos a nossa vida, somos capazes de perceber nossa pequenez e nossa miséria humana e a grandeza do amor de Deus que, mesmo em nossas dores, fraquezas e dificuldades, abraça a nossa vida. Confiemos a nossa vida nas mãos do Senhor, por intercessão da Virgem Santíssima e reconheçamos que nada somos sem a presença de Deus em nossas vidas.

 

Pe. Robson de Oliveira

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás

A plenitude do amor e a doação de si mesmo

Comentários: 0

A Quaresma é um período em que a Igreja nos convida a intensificar nossa vivência do amor de Deus, contemplando os mistérios e os ensinamentos deixados por nosso Senhor Jesus Cristo. A experiência de viver uma vida pautada e guiada pelo Pai Eterno deve acontecer durante todo o ano. Mas, o Calendário Litúrgico da nossa Igreja tem uma maneira didática e especial de nos ajudar a relembrar o quanto o Pai Eterno nos ama a ponto de enviar Seu Filho, que passou por tantas provações e sofrimentos, para nos redimir dos nossos pecados.

E é justamente neste tempo em que estamos agora, da Quaresma, que temos a oportunidade de refletir profundamente sobre a vida, paixão e morte de Jesus. Isso acontece porque somos convidados a colocar em prática os Seus ensinamentos, e todo aquele que se assume cristão tem a incumbência de dar continuidade à missão de Jesus.

Desde a encarnação até a ressurreição, o Pai Eterno operou as Suas maravilhas na vida de Cristo e daqueles que o seguiam, para revelar todo o Seu amor pela humanidade. Em Jesus, está a plenitude de todas as promessas de Deus para a vida daqueles que se fundamentam no amor maior, que é Deus Pai.

Através de Seu Filho, Jesus Cristo, Deus se fez homem, carne da nossa carne, sangue do nosso sangue, história da nossa história, com o objetivo de nos salvar a partir da nossa condição existencial. Com Suas atitudes de amor ao próximo, com as curas e o acolhimento aos pobres e aos doentes; e Sua proximidade com Deus, por meio do jejum e da oração; Jesus nos mostra como devemos agir para estar no caminho que leva ao Pai. “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” (Jo 14,6).

Nesse sentido, devemos ser como Jesus buscar vivenciar o jejum, a caridade e a oração, especialmente neste quaresmal. Neste período, Igreja nos ajuda a viver essa plena conversão que não está relacionada somente ao meu próprio ser, mas a como eu me posiciono e ajo em comunidade, fazendo o bem aos irmãos e irmãs.

Não podemos discriminar as pessoas por seus pecados, ou por suas limitações. Ao contrário, temos que acolhê-las de forma plena, amorosa, humilde e verdadeira. É justamente por isso, que a Igreja propõe aos cristãos que vivenciem, durante os 40 dias, a oração, o jejum e a caridade. Pois, essas são formas de dar continuidade à missão iniciada por Ele aqui na Terra. Devemos pedir ao Pai Eterno que nos dê o dom da sabedoria para que não façamos nada com o sentido de envaidecer o nosso coração, mas, somente, para agradar o coração de Deus.

Na Liturgia deste tempo, Jesus nos ensina que nossas ações não devem ser para engrandecimento pessoal, mas, para a glorificação de Deus. “Guardai-vos de fazer vossas boas obras diante dos homens, para serdes vistos por eles. Do contrário, não tereis recompensa junto de vosso Pai que está no céu” (Mt 6,1).

Entre Jesus e a pessoa humana não há um troca de papéis ou uma inversão de valores, mas, sobretudo, uma entrega cotidiana de duas vidas, que se unem e se assumem em um único caminho rumo ao Coração do Pai Eterno. É esse o grande desafio que assumimos ao escolher a vida cristã, o de amar. Enxergar Jesus no irmão e ser Jesus para ele.

Cristo é a fonte do amor mais pleno e é Nele que devemos nos abastecer. Ele não foi um simples mensageiro. Ele é a própria mensagem de amor que o Pai Eterno nos enviou e que se mantém viva em nossos corações, por meio do Espírito Santo. Somente por meio da experiência da fé vinculada à razão, é que seremos capazes de enxergar Jesus no outro. A partir do momento que aceitamos viver e entender o Seu amor, se torna mais fácil agir conforme os ensinamentos Dele.

Tenhamos a firmeza da fé para mergulhar nessa fonte do mais puro amor, que são os exemplos deixados pelo próprio Jesus: fé, amor, oração e caridade. Reflitamos sobre a vida, paixão, morte e ressurreição de Jesus de Nazaré e aprendamos com Ele a viver como filhos queridos e amados do Pai Eterno!

 

Pe. Robson de Oliveira

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás

Equilíbrio físico e espiritual

Comentários: 0

Em fevereiro, dia 11, a Igreja celebra a Virgem Santíssima sob o título de Nossa Senhora de Lourdes. Neste mesmo dia, é também o Dia Mundial do Enfermo. Quando rezamos por alguém que precisa de saúde, não podemos nos limitar somente a pensar naqueles que possuem doenças no corpo, precisamos também pedir por aquelas pessoas que necessitam da saúde na alma.

Resumindo, estou falando do equilíbrio físico e do equilíbrio espiritual. Duas coisas fundamentais para que consigamos ter uma vida tranquila, feliz e saudável. Isso, porque um está ligado ao outro. Ou seja, quando estamos doentes no corpo, ficamos tristes, abatidos. Existem vários casos de pessoas que, quando ficam doentes fisicamente, tendem a ficar pessimistas, depressivas.

Não é por acaso que o Dia Mundial do Enfermo é no mesmo dia em que celebramos a memória de Nossa Senhora de Lourdes. Ela é a padroeira dos enfermos. Conta a história que, em 1858, em uma tarde muito úmida e muito fria, no interior da França, Nossa Senhora fez uma visita agraciada a uma menina muito humilde, frágil e pura, chamada Bernadette Soubirous.

A menina saiu com uma irmã e uma amiga para procurar lenha, gravetos para aquecer o lar, que era um costume muito frequente na Europa, naquele período. Elas estavam em um local um pouco afastado da cidade e Bernadette foi atraída por uma luz saindo de uma gruta. Foi então que ela viu uma linda mulher de branco, com uma faixa azul e um terço na mão. E esta mulher linda e admirável convidava à oração. A jovem começou a rezar e quando terminou a oração, a senhora desapareceu. Bernadette ficou cheia do Espírito Santo e muito feliz com aquele acontecimento que encheu seu coração de paz, amor e esperança.

As aparições foram se repetindo nos dias seguintes, até que em um dos momentos a Virgem pediu à menina que cavasse o chão da gruta e naquele exato local, brotou uma fonte que jorra águas abençoadas até os dias de hoje. A própria Bernadette, que era uma jovem doente, foi curada ali. São milhões de peregrinos que visitam Lourdes todos os anos em busca de bênçãos, curas e verdadeiros milagres. Ali é um marco do amor do Divino Pai eterno, por intermédio de Maria Santíssima.

Além das curas, que deram a Nossa Senhora de Lourdes o título de padroeira dos enfermos, a mensagem trazida ao mundo, por meio da visita a Bernadette, consistia, principalmente, no convite à conversão e à oração do terço. Outro ponto fundamental da aparição no interior da França foi quando a Virgem se identificou como a Imaculada Conceição, o que se tornou motivo da confirmação desse dogma que havia sido proclamado quatro anos antes pela Igreja.

Nossa senhora é a Imaculada Conceição e, por meio de sua santa intercessão ao Divino Pai Eterno, conseguimos alcançar graças infinitas em nossas vidas. Devemos ter uma certeza: sem Deus, nada somos. Por isso, meu irmão, minha irmão, busque viver em uma comunhão com Deus. Saiba que nós não somos merecedores da graça de Deus e, mesmo assim, Ele nos concede e nos permite viver como verdadeiros abençoados, verdadeiros miraculados, como pessoas que são libertas de todos os males que possam vir a nos atingir.

Muitos são os que estão distantes, não participam, não rezam e não buscam a Deus. Busquemos o Senhor, porque nosso tempo é curto neste mundo e nós dependemos de Deus para sermos verdadeiros filhos amados, verdadeiros cristãos neste mundo, e não somente criaturas que caminham sobre a terra.

Peçamos, então, a intercessão de Nossa Senhora de Lourdes, padroeira dos enfermos, por todas aquelas pessoas que estão doentes, debilitadas na saúde do corpo, para que tenham a capacidade levantar a cabeça diante das cruzes que carrega. Rezemos também por aqueles que necessitam da saúde da alma, pedindo ao Senhor que dê força e ânimo aos corações decaídos, às pessoas com depressão, para que não se sintam acabados, nem fracassados por causa de problemas em suas vidas.

Que, pela nossa fé e oração, o Senhor possa nos reerguer para que possamos caminhar na alegria de estar em Sua presença. Que nós sejamos pessoas saudáveis no corpo e na alma e que o Senhor coloque Sua mão misericordiosa sobre todos os que sofrem, para que alcancem aquilo que necessitam. Amém!

 

Pe. Robson de Oliveira

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás e presidente-fundador da Afipe

 

O Evangelho do Amor

Comentários: 0

No primeiro dia do ano, celebramos a Mãe de Deus, Maria, nossa Mãezinha do Céu, ela que acolheu plenamente os mistérios da redenção no seu próprio ventre, na sua mente e no seu coração. Maria foi o receptáculo da graça de Deus, o sacrário vivo do próprio Senhor, custódia da salvação da humanidade. Por isso, a Igreja começa o ano bendizendo, louvando e agradecendo ao Pai Eterno pela Mãe de Jesus, que é para nós um exemplo de vida, de como devemos caminhar e de como devemos ser, em nossa vida cristã.

Maria via e ouvia todas as coisas e, em silêncio, guardava tudo em seu coração e meditava. Maria, Mãe de sabedoria, meditava os mistérios de Deus em cada um dos tantos fatos que aconteceram na vida de Jesus e em sua vida. Devemos louvar e agradecer a Deus pelas infinitas graças que Ele sempre derrama sobre nós porque Ele é o nosso Pai Eterno. E devemos agradecer também por Ele ter nos dado Maria, por nos ter dado a Mãe do Redentor para que nós sejamos filhos dela e aprendamos a viver como ela viveu: uma vida de fé, de entrega, com uma opção radical de servir a Deus acima de qualquer coisa, colocando-O sempre em primeiro lugar em nossa vida.

Esta foi a missão de Maria, conforme ela mesma proclamou em seu cântico em Lucas (1,46) – “Minha alma glorifica ao Senhor, meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador”. E deve ser também a missão de todo cristão. Se colocar à disposição do Pai, levar o Seu amor ao mundo inteiro. Por meio de Maria, tudo se torna mais fácil. Ela nos mostra o caminho certo que nos leva a Jesus e nos mostra que nunca estamos sozinhos nesta missão. Só precisamos abrir o nosso coração, pois fomos batizados e recebemos o Espírito Santo, que foi enviado a nós ser a presença de Deus em nós e, através de nós, onde quer que nós estejamos.

O Senhor espera que nós realmente vivamos de acordo com a Sua vontade e que experimentemos profundamente o Seu amor, permitindo que outras pessoas também façam o mesmo, por meio de nós. Assim como Nossa Senhora, que recebeu o Espírito Santo e deixou o Pai Eterno agir em sua vida, nós também recebemos a marca do Espírito Santo em nós. E, por meio desse Espírito, somos canal do amor, da graça e da benção de Deus.

Com essa certeza, seguindo os exemplos de nossa Mãezinha do Céu, temos o compromisso de continuar a missão de Cristo nesta vida e neste mundo, mesmo que as pessoas não O queiram e não O aceitem. Mesmo que os corações sejam duros e resistentes em não querer mudar de vida e de pensamento. Nós somos chamados a evangelizá-las usando nossas capacidades, nosso modo de ser, de falar, de ensinar e de dar exemplos.

Quando Jesus diz “Ide pelo mundo e pregai o Evangelho” (Mc 16,15), Ele quer que nós entremos na vida, no mundo das pessoas e mostremos a elas o Seu amor e graça e tudo aquilo que nós conhecemos e experimentamos. Maria, assim que soube da concepção divina de Cristo, saiu em missão, para levar Jesus a sua prima Isabel, que a reconheceu como bendita entre as mulheres, pois era bendito o fruto que carregavam em seu ventre (cf. Lc 1,42).

Para cumprir a missão que o Senhor deu a nós, devemos confiar Nele. Não podemos confiar somente em nossa própria força, condição e inteligência. Confiemos, sim, na graça de Deus que age no bom coração. Se nós seguíssemos nesta missão, por nós mesmos, não faríamos nada ou quase nada. Se vivêssemos somente pelas nossas capacidades, confiando em nosso mérito, faríamos pouco neste mundo. Mas, se a graça de Deus nos acompanha, Sua obra acontece de maneira magnífica. Pessoas são restauradas, corações são convertidos, vidas são mudadas. Tudo isso, porque eu me faço instrumento, me abandono nos braços do Pai Eterno e me coloco à disposição para que Sua vontade seja realizada plenamente em minha vida.

Ter o coração bom, colocar-se à disposição do Pai e se esforçar para serví-lo piamente; esse é o primeiro passo para que a graça de Deus opere em seu coração, em sua vida, em seu jeito de ser. Dessa forma, você se tornará a presença viva do Senhor na vida do seu irmão, na sua casa, no seu trabalho e onde quer que você passe. Em você, as pessoas vão sentir e reconhecer a presença e a força de Jesus.

Ouçamos a voz de Jesus, que não está falando apenas ao grupo dos Doze Apóstolos, mas sim para todos aqueles que Nele acreditam e que sabem que somente por meio Dele é possível alcançar a salvação. Neste novo ano, Deus nos dá uma nova oportunidade para que possamos assumir verdadeiramente a missão de Jesus em nossas vidas. Façamos como a Virgem Santíssima, a Mãe de Deus, abrindo-nos à vontade do Pai e vivendo a esperança de que este ano será ainda melhor.

Rogai por nós, Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém!

Pe. Robson de Oliveira, C.Ss.R.

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás e presidente-fundador da Afipe

A encarnação do Amor

Comentários: 0

Às vezes, me pego pensando em como seria se Jesus voltasse hoje. Será que nós estaríamos preparados para receber Cristo em nossa casa, em nossa vida? Será que o nosso coração estaria preparado para acolher o Messias? Esse pensamento me veio à mente ao perceber que estamos nos aproximando do Natal, quando celebramos a vinda de Jesus – “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14) – e, em vários locais e situações, é possível observar que o verdadeiro sentido desta comemoração está distorcido.

O Natal é uma das festas mais importantes do calendário litúrgico. Neste período, nós, que somos filhos amados do Pai Eterno, recebemos Dele o chamado para que preparemos o nosso coração, a nossa vida, para a chegada de Seu Filho amado. É claro que é uma festa simbólica, pois Jesus nasceu há mais de dois mil anos, segundo o calendário civil. Mas, precisamos sim relembrar disso ano após ano, pois, para nós, cristãos, é momento de refletir sobre como é necessário abrir o nosso coração para receber Cristo em nossas vidas.

Por isso, esse período não pode se resumir ao consumismo desenfreado, em que as pessoas só pensam em comprar presentes, fazer uma grande festa, pratos especiais, roupas novas, decoração natalina, árvore repleta de presentes. Tudo isso é bonito, mas não devemos gastar toda nossa energia com esses elementos, porque as coisas materiais são vãs. Nada disso faz sentido, quando as pessoas, especialmente, as famílias, não vivem o verdadeiro amor.

De nada adianta ter tudo isso e estar brigado com o seu irmão, com raiva do seu primo, em pé de guerra com seus pais. Não é isso que o Pai Eterno quer de nós. Podemos, sim, enfeitar a nossa casa, para que ela fique bonita e com clima festivo. Mas, não podemos colocar nossa atenção nisso e deixar o nosso coração amargurado, cheio de rancor e vivendo em meio à discórdia.

Nesse contexto, as pessoas estão cada vez mais divididas entre o Evangelho da Fé e o evangelho do mercado, entre o belo-supérfluo dos presentes e o singelo-necessário do presépio. Na noite de Natal, vemos coros, com muito entusiasmo, entoando o som do ‘Jingle Bells’, mas a verdade é que as pessoas se esquecem do motivo que a torna uma verdadeira e plena ‘Noite Feliz’!

É preciso viver a verdadeira essência do Natal, que está em reconhecer a grandeza de um Deus que é Pai e que, por amor a nós, se fez carne, habitou entre nós, de maneira simples, humilde e singela. Veio como criança, pura, ingênua, precisando dos cuidados dos seus pais para que crescesse e se desenvolvesse. E é essa mesma criança que agora está pedindo, desejando, nascer em nossos corações. Por isso, devemos amar, cuidar e nos dedicar a acolher essa criança, que é o próprio Cristo, com muito amor, para que nossa casa seja abençoada e nossa vida seja restaurada.

O Menino Deus nasceu para todos e aquele que deposita a sua fé e esperança no Natal, de forma plena, é capaz de vivenciar esse momento de Amor, não somente nesse período natalino, mas, em todos os dias de sua vida. Jesus é simples e cheio de amor. Ele não quer algo extraordinário de nós, quer apenas que nós possamos dar seguimentos à Sua missão, seguindo os Seus ensinamentos e fazendo valer a Sua vinda gloriosa a este mundo.

E a forma de colocar esse amor em prática é mudando as nossas atitudes do dia a dia: evitando falar mal dos outros; aprendendo a utilizar o silêncio para não criar situações de desconforto e não magoar os nossos irmãos; sendo gentil com as pessoas à nossa volta, em casa, no trabalho e em todos os lugares onde que estiver; praticando boas ações. Enfim… existem inúmeras ações que podemos realizar para garantir que o Reino de Deus aconteça aqui na Terra. E é com fé e humildade que somos capazes de deixar que o Espírito Santo nos mostre o caminho certo a seguir.

Lembremo-nos de que somos iluminados pela vinda de Cristo Jesus: “Para os que habitavam na terra da escuridão uma luz começou a brilhar” (Is 9,1). Cristo feito homem esvaziou-se de Si mesmo, exceto de Sua condição Divina, para partilhar de nossas dores e pobreza. Conheceu na própria pele as feridas do sofrimento e da extrema pobreza, pois não tinha “onde reclinar a cabeça” (Mt 8,20).

Sigamos o exemplo de Jesus, façamos deste tempo, um momento oportuno para revisitarmos a nossa consagração, tentando descobrir aquilo que tem nos distanciado do anúncio do Reino de Deus, tão defendido por Jesus. Não deixemos que o Menino Deus fique ao relento de nossa vida consagrada. Façamos o possível e o impossível para que Ele possa ser generosamente acolhido na manjedoura de nosso coração.

Bom Tempo do Advento a todos e um Natal cheio de luzes e ações de graças!

Pe. Robson de Oliveira

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás e presidente-fundador da Afipe

Amor que renova, traz a paz e a misericórdia

Comentários: 0

Neste Ano Santo da Misericórdia, proclamado pelo Papa Francisco para a Igreja Católica em todo o mundo, temos visto o quão é grande a preocupação do nosso Santo Padre para com a humanidade, para com os filhos e filhas do Pai Eterno. Por várias vezes em que falou sobre misericórdia, em sua humildade, ele nos ensinou o quanto é precioso e imprescindível vivenciar o perdão em nossas vidas, a começar pelos nossos lares, em nossas famílias. É praticando o perdão no seio familiar que aprendemos a ser mais amáveis e maleáveis em relação aos erros, às ofensas e àquilo que o outro faz e que, porventura, acaba nos machucando.

Em toda a história da humanidade, sempre ouvimos falar sobre as guerras do passado, desencontros e discórdias entre pessoas e grupos que pensam e agem de maneira diferente uns dos outros. É triste perceber que, ao longo dos séculos evoluímos em tantos aspectos, principalmente no que tange à tecnologia, mas continuamos com os mesmos problemas de guerra, violência e discórdia que são frutos da intolerância e falta de amor, de perdão e de misericórdia de pessoas que, na maioria das vezes, não aceitam o estilo de vida e a maneira de viver do outro.

Na mídia, percebemos claramente que estamos vivendo um tempo em que a intolerância tem se mostrado muito presente. Pessoas que não têm amor umas pelas outras e que, por pura maldade e falta de discernimento em relação às escolhas pessoais do outro, praticam atos perversos e até criminosos para prejudicar o irmão.

Apesar de ver tantas coisas ruins que a mídia sensacionalista expõe diariamente, não devemos perder a esperança e é isso que o Ano Santo da Misericórdia nos ensina: que podemos alcançar um mundo melhor, se vivermos aqui na Terra, com os nossos irmãos, a mesma misericórdia que o Pai Eterno tem para conosco.

Se olharmos ao nosso redor, é muito fácil também encontrar pessoas de bom coração, que se preocupam com o irmão e que mostram, até mesmo por meio de pequenas atitudes, que é possível enxergar Jesus no outro e, dessa maneira, colocar em prática o amor e o perdão que Ele mesmo nos ensinou, quando veio cumprir Sua missão aqui na Terra.

Em sua Bula Misericordiae Vultus, n.10, o Papa Francisco nos ensina que “o perdão é uma força que ressuscita para uma vida nova e infunde a valentia para olhar o futuro com esperança”. É nisso que devemos acreditar, para que consigamos alcançar um mundo, onde a paz e o amor divino reinam. E neste mês de setembro, em meio à celebração do Ano Santo da Misericórdia, quando celebramos mais um Mês da Bíblia, refletimos o tema “Para que n´Ele nossos povos tenham vida” e o lema “Praticar a justiça, amar a misericórdia e caminhar com Deus”.

A proposta é que seja estudado o livro do profeta Miqueias, como forma de levar às comunidades o desejo de conhecer os ensinamentos contidos nas Sagradas Escrituras. O que pode trazer aos corações dos fiéis, mais esperança, por meio de experiências de fé e vivência da oração, que nos aproximam do amor do Pai Eterno.

Em meio a tantas experiências negativas que temos presenciado com as violências diárias em todo o mundo, é muito importante ter homens e mulheres capazes de lutar para que a Palavra de Deus nunca se perca. Pessoas que servem ao Pai Eterno, evangelizando, com muita fé e perseverança, aqueles que não conseguem mais encontrar o sentido de suas vidas, levando a eles o amor verdadeiro, puro e divino, por meio da oração.

Santo Afonso Maria de Ligório nos ensina que não há meio mais necessário e mais eficaz para vencer as tentações contra a virtude angélica do que o recurso imediato a Deus pela oração (cf. S. Alphonsus a Liguori, Pratica di amar Gesù Cristo, c.17, nn. 7-16). Portanto, abramos os nossos corações para que, através de nossa oração, estudo da Palavra e testemunho de fé, possamos levar o amor do Pai Eterno a todos os lugares, mostrando que é possível viver a paz. Basta se colocar a serviço do Pai, enxergar Jesus no outro e respeitar as escolhas do outro, lembrando sempre de amar quando for preciso e perdoar quando necessário.

Que também, a exemplo da Virgem Mãe Santíssima, possamos acolher a Palavra de Deus em nossos corações, deixando que o Espírito Santo aja em nossas vidas, de acordo com os desígnios de Deus para cada um de nós. Tenhamos fé e, acima de tudo, esperança. O Pai Eterno nunca abandona os Seus filhos, principalmente quando eles decidem por seguir o Seu caminho e continuar a missão que o próprio Jesus nos deixou, de anunciar o Evangelho a todas as nações (cf. Mc 16,15).

Pe. Robson de Oliveira, C.Ss.R.

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás e Presidente-fundador da Afipe

A Imagem do Pai Eterno nos evangeliza e fala ao nosso coração

Comentários: 0

Em Seu divino mistério, Deus vem ao nosso encontro, não por merecimentos, mas por pura gratuidade. Houve um modo pelo qual Ele quis Se revelar, há 176 anos, na cidade de Trindade-GO. Tudo começou em 1840, quando certo casal de lavradores encontrou um pequeno medalhão de barro. Nele estava a representação do Pai, pelo Filho, no Espírito, coroando Maria Santíssima. A primeira manifestação de fé dessa devoção surgiu no coração de uma família: sem muitas posses, mas rica em caridade; sem grandes economias, porém animada pela esperança. Eles receberam, acolheram e transmitiram o dom da fé. Entre Constantino Xavier, Ana Rosa e seus vizinhos: foi edificado o primeiro Santuário do Divino Pai Eterno!

No tempo presente, ao ouvirmos a palavra ‘devotos’, devemos escutar também o seu eco, que continua a ressoar em nosso coração e a dizer: “vivei como filhos”! Cada um que se aproxima da devoção ao Pai Eterno traz a consciência de que é primeiro filho; depois, cristão e, por último, devoto. A ênfase do ato devocional é sempre na Santíssima Trindade coroando Nossa Senhora. Teologicamente, a atenção se detém em Maria, representando a humanidade coroada no coração de Deus Uno e Trino. Porém, no desenvolvimento histórico, a figura do Pai Eterno foi a que alcançou maior destaque. Provavelmente, porque a linguagem paternal permaneceu como a mais próxima da realidade dos agricultores, onde foi encontrado o medalhão e onde a devoção se originou.

Além de uma imagem, o que se enxerga é a presença de um ícone sagrado. A palavra ícone vem do grego έικώυ e está a sinalizar que todo ícone é uma imagem, mas nem toda imagem é um ícone. Uma imagem pode ser catalogada dentro dos manuais de arte, apresentar-se como a livre representação do artista e ser admirada a partir de traços simplesmente estéticos. Já o ícone tem a única intenção de contemplar o mistério absoluto de Deus. Não é uma obra artística avulsa, mas um tratado de evangelização!

A fé, por meio da arte sacra e da arte religiosa, nos ensina que as representações são um caminho para se chegar a Deus. São meios, não fins. Remetemo-nos às imagens que nos endereçam ao Sagrado e prolongam o Seu mistério na existência humana, fazendo da vida uma obra de redenção Desde o primeiro milênio da era cristã, Deus era apresentado apenas por símbolos indiretos, como no caso de uma mão, de um olho ou de um braço. Somente a partir do século XII é que passou a ser difundida a representação de Deus-Pai sob a figura de um ancião barbudo (Cf. Daniel 7,9). Em algumas imagens Ele aparecia com os cabelos brancos, simbolizando a eternidade e em outras era colocado como calvo.

Hoje, quem vê a Imagem logo percebe que nela o Pai é representado como uma figura experiente. Têm barbas e cabelos brancos, também é um pouco calvo. Traja uma túnica branca com detalhes dourados. Simbolicamente, aquela calvície não é resultado da hereditariedade, mas uma forma poética de assegurar que Deus gastou a vida pelos seus filhos e o continua até as últimas consequências. Os cabelos brancos são o sinal de que podemos confiar Nele para nos esclarecer, direcionar e elucidar pelo amor.

O Pai também utiliza um manto vermelho. Na história, o vermelho era a cor oficial dos imperadores, denominada de púrpura imperial. A vestimenta avermelhada costumava ser associada ao poderio e à fortaleza bélica dos que se intitulam soberanos. No entanto, o poder do Pai é totalmente diferente daquele dos césares da história. Sua autoridade não é tirana, Sua força não é guerreira, Sua história não é sanguinária, Sua conquista não é territorial. Seu poder se traduz em serviço e doação totais.

Com uma aparência mais jovial aparece Jesus. Tal qual ao Pai, Ele também traja um manto vermelho e tem os pés descalços. O fato de estar sem sandálias já evoca a realidade do ‘Deus que veio ao mundo’ e se tornou carne em nossa carne. Não teve medo de pisar no chão da história nem de viver como um de nós, exceto no pecado. Em Jesus, Deus se tornou humano! Mesmo criando a humanidade, Ele não havia sido historicamente humano: sangue do nosso sangue.

Mais a frente, o Espírito Santo é representado como um pombo. Essa simbologia tem origem na passagem bíblica do dilúvio, quando Noé solta o pássaro, significando que as águas haviam passado e uma nova chance de vida tinha sido dada à humanidade. (Cf. Gênesis 8,6-12). Outra fundamentação está no texto do Batismo de Jesus, quando o Espírito Santo veio sobre Ele em forma de pombo. Tudo para expressar que um novo momento estava começando na vida do Messias (Cf. Lucas 3,21-22).

A vida protagonizada pelo Pai Eterno é obra do Espírito Santo e consequência direta do seguimento à pessoa de Jesus. A vida puramente humana torna-se, então, participação na vida eternamente divina. Que de ora em diante tenhamos o coração aberto para acolher o mistério Divino e os caminhos que Ele utiliza para Si revelar a cada um de nós!

 Pe. Robson de Oliveira, C.Ss.R.

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás e presidente-fundador da Afipe

O Pai Eterno é Misericordioso

Comentários: 0

A misericórdia não nos pede qualidades, nem méritos. Em si, ela é pura gratuidade. Já por si é a maior de todas as virtudes. O coração da misericórdia pulsa por redenção. Nele, não cabem recompensas. Isso porque a ação do Pai Eterno nasce de uma grandeza constante, sem restrições, pronta a nos humanizar. Nisso consiste a Sua onipotência. Fiel à bondade que O move, Ele acolhe a todos na incondicional soberania de Seu amor. A ternura de Deus não vê as diferenças que excluem, mas enxerga prontamente o sofrimento que solicita a inclusão de cada um, em especial, dos mais pobres e abandonados. São eles os primeiros endereçados da misericórdia.

Durante a Festa do Divino Pai Eterno, a nossa missão é proclamar, com ações e depois com palavras, que o rosto de Deus é misericórdia. Ele faz a nossa mensagem passar da bela retórica aos gestos concretos. Onde a dor impera, não somos juízes da moral nem reguladores da doutrina, mas servos da ação misericordiosa do Pai, que cura os feridos da vida com o bálsamo da compaixão e o remédio salutar da esperança.

Todas as vezes que agimos com unidade no trabalho missionário, com respeito à dignidade do outro, com consideração àqueles que estão à nossa volta, com a disposição de servi-los: a Misericórdia se faz carne novamente! Longe de um agrado açucarado, a sua correta aplicação não diminui a importância dos sacramentos nem enfraquece a vivência da fé.

Neste tempo em que nos aproximamos de mais uma Romaria, muitos romeiros vêm a Trindade expressar sua fé e amor, através da oração, do louvor, da súplica e também do agradecimento ao Divino Pai Eterno. É momento de se reunir com muita emoção a milhares de irmãos que, durante os dez dias de Festa, chegam a todo momento à Casa do Pai. Essa é uma forma de proclamar e reavivar a fé vivenciada pelo povo e fundamentada no amor de Deus. É vivenciar a experiência de encontro com o Pai, tendo a certeza de que Ele nos ama e nos recebe de braços abertos, por misericórdia.

Tenhamos esta certeza: O Pai Eterno é misericordioso. Para que assim possamos seguir em frente com nossas vidas, contemplando o amor que Ele tem por cada um de nós. E muito mais que isso, façamos com que esse amor ultrapasse as barreiras e se prolifere por meio da ação do Espírito Santo em cada um de nós. E é esse mesmo Espírito é o que nos une como irmãos e nos permite enxergar no irmão a face de Jesus Cristo.

Quando olhamos para os nossos irmãos e vemos o rosto de Cristo, temos a capacidade de seguir os exemplos Dele, amando o próximo sem nenhuma distinção, ou divisão de classe, cor, gênero etc. É por meio desse olhar de santidade que podemos também enxergar que todos somos fracos, e mesmo assim, o Pai Eterno nos acolhe, nos ama e nos perdoa, porque é grande a Sua misericórdia para conosco. A partir do momento em que seguimos os Seus exemplos, somos capazes de ter compaixão pelo outro, amando-o, perdoando-o, sendo misericordioso, como o Pai é misericordioso (cf. Lc 6,36).

A nossa fé e devoção é simples, porém forte. E é neste período de Romaria que ela se fortalece ainda mais com a reunião do povo de Deus, do romeiro, do peregrino, daquele que crê, confia e se entrega ao Pai Eterno. A fé é um dom, uma certeza que não estamos sozinhos neste mundo, pois é nela que nos reconhecemos como filhos amados do Pai Eterno. Pela fé nos convertemos e realizamos muitas obras de amor. É ela que promove todo o bem e nos faz alcançar a misericórdia divina. Pela fé, Deus age em nossas vidas, nos faz sentir o Seu amor e a Sua misericórdia, nos converte e nos traz muitas bênçãos.

Durante esse período festivo, que nos proporciona momentos de oração, reflexão e aproximação com Deus, a nossa fé é fortalecida para que nossa caminhada seja contínua. Temos, então, a oportunidade de falar com o Pai Eterno e aprender com Ele, nos tornando mais sábios e fortes, pois encontramos o caminho para a solução de angústias e conflitos. Em meio às grandes dificuldades, pela oração, a pessoa é sustentada pelo amor misericordioso de Deus. À medida que nos deixamos conduzir por essa experiência da fé, os problemas deixam de ser o fundamento de nossa vida, pois um só é o fundamento: o Divino Pai Eterno.

Então, na entrega confiante da vida ao Senhor, alcançamos a paz que o mundo não pode oferecer. Ele nos concede conforto sempre que entregamos a nossa vida à Sua Providência Divina. Esta paz e a certeza da Sua misericórdia divina é uma dádiva que Ele oferece para nós que cremos, amamos e buscamos viver com fé.

Assim, acreditamos em um Deus que nos cria no amor, espera na fé e salva na misericórdia. Nossa missão é sermos homens e mulheres de esperança, pessoas prontas para proclamar ao mundo a nossa fé. Busquemos a experiência, a paz e a misericórdia do Pai, para que nosso testemunho seja fruto daquilo que vivenciamos. Estejamos preparados para os desafios que a espiritualidade cristã nos provoca.

É fazendo a experiência da misericórdia que compreendemos o valor das verdades que fundamentam a vida cristã. Nessa direção, o Santuário Basílica existe para que os filhos do Pai Eterno se sintam nele acolhidos, reconciliados e fortificados para viver de acordo com o Evangelho da misericórdia. Permitamos, então, que o Pai nos fite nos olhos e nos conduza ao encontro com os redimidos. Eles têm muito a nos ensinar. Abençoada festa a todos!

 

Pe. Robson de Oliveira, C.Ss.R.

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás e presidente-fundador da Associação Filhos de Pai Eterno (Afipe)

Mãe de Deus e da Igreja

Comentários: 0

“Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que, da parte do Senhor, te foram ditas!” Com essa saudação, Izabel acolheu a chegada da Santíssima Virgem, que acabara de ter um encontro com o anjo Gabriel, enviado pelo Pai Eterno para lhe dar a notícia de que ela havia sido a escolhida para ser a Mãe do Filho de Deus, nosso Senhor Jesus Cristo.

Maria é sinônimo de doçura, ternura, silêncio, humildade, obediência e sabedoria. Ela disse ‘sim’ e, por meio dela, a salvação chegou ao mundo, trazendo o amor, a bondade e a misericórdia de Deus, com gestos simples de acolhimento e muita fé. Assim, Jesus Cristo é Deus que se fez homem e veio ao mundo para cumprir Sua missão. Mas, antes disso, Ele mesmo, recebeu o amor, o carinho e o cuidado da Mãe Santíssima.

Em seus momentos de criança frágil, foi Nossa Senhora quem cuidou e O educou na fé; ela O ensinou as coisas básicas que um ser humano precisa aprender para sua vivência: andar, falar etc. Tudo isso para mostrar que, mesmo tendo Sua essência divina, Jesus também precisou de uma mãe. Um exemplo disso podemos encontrar no Ícone de Nossa Senhora da Paixão, mais conhecido pelo título de “Perpétuo Socorro”, tão venerado nos locais por onde passam os Missionários Redentoristas.

No colo de Maria, está uma figura trêmula e frágil, tal como a humanidade. Estamos diante da criança que tem medo do sofrimento iminente: fruto de Sua opção pelo Reino do Pai, em vista dos pobres e abandonados.

É um Menino que, contemplando os instrumentos da Paixão, corre tão velozmente para os braços da Mãe, a ponto de deixar as sandálias soltarem dos pés. No simbolismo da sandália está a insegurança de alguém com a vida sob o encalço da perseguição.

Na narrativa bíblica, os pés são lavados e beijados, enquanto que no Ícone ficam desprotegidos. Perder a sandália é não conseguir andar por muito tempo nos caminhos pedregosos da existência. É prefiguração da morte. Ficar sem sandálias é despojar-se de si mesmo para assumir a ferida do humano. Não possuir sandálias nos pés é adentrar o caminho da mais absoluta entrega, por meio da Encarnação, Paixão e Ressurreição.

Ao adentrarmos o caminho iconográfico do Perpétuo Socorro, nos tornamos “socorros perpétuos” para o mundo que tem fome e sede do Pai. Dessa maneira, assumimos uma nova visão de Deus de baixo para cima, do temporal para atemporal, do finito para infinito; também descobrimos um novo rosto de vida cristã, entendendo-a como serva e não como senhora.

Neste mês, em que nós celebramos como o Mês Mariano e também temos a alegria de celebrar a memória boa e feliz de nossas mães. Devemos agradecer ao Divino Pai Eterno, por essa grande graça que nós, cristãos católicos, temos de ter duas mães: a nossa Mãe do céu e a nossa mãe da terra. Maria, que nos apresenta Jesus, o nosso “Perpétuo Socorro”. E, partindo dela, celebramos também a vida de nossas mães ou a memória daquelas que já se encontram com o Pai.

Deixemo-nos interpelar pelo olhar desta mulher que nos segura pelas mãos. Permitamos que Maria incite a nossa mente e o nosso coração para o Cristo. Aceitemos que ela mesma nos aponte o seu Filho como o caminho de felicidade plena e verdadeira. Contemplemos, na realidade mais profunda da alma, a presença simples daquela que invocamos como a “Mãe do Perpétuo Socorro”.

Que a Mãe do Belo Amor, o nosso Perpétuo Socorro, possa interceder por cada um de nós, em especial pelas, mulheres virtuosas e de muita fé, que vivem um cotidiano de doação de si mesmas, por amor à cada um de seus filhos, que também são os filhos do Pai Eterno. Feliz Dia das Mães!

 

Pe. Robson de Oliveira

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás e presidente-fundador

Nem só de crise econômica e política vive o homem

Comentários: 0

Ainda que o pão tenha faltado em nossas mesas e a recessão econômica trazido sucessivas demissões aos trabalhadores: precisamos resgatar a virtude da esperança, que tem pelejado bastante, na contramão de toda desesperança. Quem confia em Deus não se deixa dominar por nenhum desassossego nem fraquejar pela angústia. Pode até ficar momentaneamente balanceado frente aos alarmismos difundidos à velocidade da luz. Mas, ao perceber a precipitação das adversidades, o esperançoso trata de recobrar o ânimo e rechaçar a iminência do perigo vão. Isso porque, no Pai Eterno, reside a sua esperança derradeira. Lá no interior da alma ressoa a voz de Deus que a tudo serena e pereniza: “Sejam firmes, fortaleçam o coração, todos vocês que esperam no Senhor” (Salmos 31 (30),25).

Para além da mera ilusão ou da pura fantasia é a esperança quem nos salvará destes tempos críticos. Não há possibilidade de subirmos para o alto das montanhas, muito menos de buscarmos isolamento em um mundo à parte. Todos somos atingidos pela gravidade da circunstância instalada sobre o país. Mesmo que a cultura brasileira seja tão suscetível ao individualismo, participamos de uma coletividade tecida socialmente. O momento solicita temperança nos dizeres e bastante prudência nas atitudes. A responsabilidade da fé nos convida a não compactuar com as forças opostas que têm prestado um verdadeiro desserviço ao Brasil. Muito do que vemos, desde a transição democrática, pode ser tido como a nefasta manifestação da ‘não política’. São forças vis pelo fato de trocarem um projeto de serviço à sociedade por um projeto de poder a todo custo. Ali interesses coletivos ficam submetidos a interesses privados, sobretudo, de ordem financeira. Ao invés de vencer, perde quem age pelo certificado da esperteza; que, às escondidas, faz concessões imorais em função de si e dos seus.

Pobres em situação de rua sendo assassinados na calada da noite… Doentes morrendo a míngua nos corredores dos hospitais… Cidadãos tendo seus direitos sociais, trabalhistas e previdenciários sistematicamente negados… Mulheres ameaçadas e espancadas por seus maridos… Famílias inteiras enlutadas e vitimadas pela ausência de segurança pública… Negros e pardos mortos à luz do dia nas periferias… Racistas e xenófobos exalando preconceito pelas redes sociais… E, em meio a tudo isso, as pessoas continuam duelando por legendas partidárias, quando necessariamente poderiam lutar pela instituição, criação e proteção de direitos. Nasce daí a calamitosa divisão. Ninguém se ouve, só se ataca. O diálogo é exilado da convivência comunitária. Cada um parece sucumbir ao domínio último da razão e à totalidade primeira da verdade. Já não há o benéfico encontro de ideias, apenas o maléfico confronto de oposições. No campo das divergências, adversários políticos tornam-se inimigos públicos, conforme os revesses da história. Outros fazem alianças espúrias, cujo objetivo é a velha troca de favores a ferir a alma da democracia.

Enquanto isso a cartilha da crise nos é imposta goela abaixo, despedaçando o dom da esperança. O linguajar alarmista do mercado financeiro tem feito com que o significado da palavra ‘crise’ seja enfocado somente no lugar restrito das dificuldades e não na importante condição das oportunidades. Crise também consiste no momento decisivo de crescimento moral e de cidadania responsável. Pelo bem da nossa ‘casa comum’ não nos despedacemos. Revanches e contendas são caminhos tortuosos, onde muitos esforços se perdem devido à grosseria das posições extremadas. Aproveitemos da Quaresma para fazer as pazes com os oponentes. Unidos, na esperança, mesmo com posições outras, venceremos estes tempos difíceis. Passadas as cruzes, eis que se arvora a ressurreição!

Uma sociedade repartida tende a amuralhar-se sempre mais. Muros são os grandes responsáveis pela desesperança presente. Quem espera confiante não precisa criar cercanias para se proteger dos conflitos da vida. Do contrário, rompe com as muralhas para sair em defesa do bem coletivo. O remédio salutar para a crise atual está nas doses homeopáticas da democracia participativa e não meramente representativa. Esperemos, pois, não nos redutos de nossas casas, mas de preferência em cima dos muros. Do alto enxergamos os dois lados que se gladiam. De lá poderemos orientá-los na esperança que ultrapassa todas as divisas!

Pe. Robson de Oliveira Pereira, C.Ss.R.

Superior Provincial dos Redentoristas de Goiás

Páginas: 1 2 3 16 Próxima Página »

Missas

De segunda a sexta

Missas: 7h e 19h30

Sábado

Missas: 7h, 10h e 17h30

Domingo

Missas: 5h45, 8h, 10h, 15h e 17h30

Rede Vida

Segunda, terça, quinta e sexta: 7h Quarta: 9h

Sábado: 7h e 17h30

Domingo: 17h30

TV Anhanguera

Domingo: 5h30

PUC TV

Sábado e domingo: 17h30

TBC

Domingo: 8h

Rede Pai Eterno

Missas Segunda, quinta e sexta: 7h
Quarta: 9h
Sábado: 7h e 17h30
Domingo: 5h45, 8h e 17h30

Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 4h, 12h e 22h Novena do Perpétuo Socorro Todos os dias: 2h

Rádio Difusora Goiânia

Missas Domingo: 8h Novena dos Filhos do Pai Eterno Todos os dias: 13h